Sei que este não parece um assunto muito auspicioso para estreiar como um postador do Tadaima, mas exatamente nesta semana perdi meu avô, e achei que seria interessante tratar do assunto por ser um tema que demonstra bem as diferenças culturais entre o Oriente e o Ocidente.
[ad#ad-1]
É comum ver em mangás e animes, quando um personagem morre, um pequeno altar com alguns elementos como a foto do falecido, incenso e oferendas. Esses componentes tem origem no budismo, doutrina predominante no Japão, e tem o objetivo de transmitir tranquilidade ao espírito do morto.

Funeral de Yusuku Urameshi no mangá Yu Yu Hakusho

Funeral de Yusuke Urameshi no mangá Yu Yu Hakusho

Um exemplo é o mangá Yu Yu Hakusho, no qual podemos ver a imagem de Yusuke Urameshi acompanhada de incenso, sino, velas e água. De acordo com o site Bemzen.com, cada elemento tem uma função específica para ajudar o espírito a alcançar a paz. Normalmente as casas japonesas tem um altar para cultuar seus falecidos, chamado hotoke-san, onde podem ser colocadas fotos dos entes queridos e as oferendas.

Imagens tiradas do site Onemanga.com

Imagens tiradas do site Onemanga.com

Outra tradição típica dos japoneses é o Tooronagashi, onde as pessoas oferecem barquinhos com velas para os entes queridos que já faleceram e lançam em rios, desejando assim que a alma sempre encontre a iluminação durante a travessia para o outro mundo. No Brasil, o ritual de tooronagashi mais famoso é realizado durante o feriado de Finados na cidade de Registro, cidade de colonização japonesa localizada no Vale do Ribeira e às margens do Rio Ribeira.

Barquinhos usados no Tooro Nagashi. Wagner Assanuma/Divulgação

Barquinhos usados no Tooro Nagashi. Wagner Assanuma/Divulgação


[ad#ad-2-middle]
Por fim, é interessante lembrar que essas religiões tratam a morte não como algo trágico, mas como uma parte do ciclo da existência. Assim, diferente dos costumes brasileiros, que normalmente veem o dia de Finados como um dia de lembranças tristes, os japoneses fazem festivais alegres para lembrar dos ancestrais. E um elemento tradicional criado para reverenciar alegremente os ancestrais é o Bon Odori, estilo de dança praticado normalmente em festivais no qual várias pessoas fazem um grande círculo e fazem passos repetidos, ao som de músicas tradicionais da região. Termino o post com um Bon-Odori famoso, realizado no final do film Karate Kid 2 (ótima série!).

P.S. Lembro aos leitores que são informações superficiais apenas para demonstrar as diferenças, existe um estudo muito mais profundo que pode ser feito a respeito da morte para os japoneses. Como também não sou um estudioso, deixo o espaço nos comentários para a correção de qualquer erro que tenha no post.
[ad#ad-1]


Danilo Hatori

Descendente de japoneses e okinawanos, tornou-se um deserdado ao largar a Engenharia Elétrica para fazer Jornalismo. Enquanto espera a chance de cobrir a seleção japonesa de futebol na Copa do Mundo de 2014, se divide entre fazer de conta que toca bateria na Banda KANPAI e, agora, escrever para o Tadaima.

9 comentários

Lina · 22 de agosto de 2009 às 8:17

Parabéns Danilo-san!! O seu olhar sobre o tema o torna ainda mais interessante.

Karupin · 23 de agosto de 2009 às 21:49

Ah, isso me lembrou do filme “Departures”, que recentemente foi lançado e ganhou alguns prêmios. ^^
Embora a morte seja tratada de forma diferente da nossa no oriente, principalmente em relação ao encaminhamento das almas, ainda há discriminação em relação àqueles que são encarregados pelos seus corpos – bom, aqui isso não é muito diferente, mas há toda uma cerimônia fantástica por trás do preparo daquele elemento em que se reservou o espírito em vida terrena.
Estou parecendo uma boa entendedora, mas apenas vi algumas partes do filme. Contudo, seria interessante falar um pouco a respeito desse filme, bem como de outros filmes japoneses que têm se destacado ultimamente no plano internacional. Eu vi que, na parte infanto-juvenil, estão sendo aguardados ou bem recebidos Gake no Ue no Ponyo e Yatterman; já tem um festival de cinema que selecionou, para concorrer, dois filmes estrelados por Matsuyama Kenichi cujos títulos não lembro agora… Mas é por esse caminho. ^^”

eryca · 23 de junho de 2010 às 10:38

tooronashi é uma coisa de paz muito legal

Raquel · 5 de agosto de 2011 às 0:40

Ola!

Alguem pode me explicar o que acontece, quando um pai (japones) de religiao budista se suicida, o que pensam, como agem a familia o que acontece com a alma na teoria do budismo?o pai do meu namorado se matou ele tava com cancer terminal e na volta do hospital se enforcou, meu namorado foi pro japao ta muito abalado , mal e disse que nao sabe se voltar por causa das tais “tradiçoes” que tradiçoes sao essas??me ajudem eu queria muito entender.Por favor desde ja agradeço.

Mylle Silva · 10 de agosto de 2011 às 21:52

Olha, posso estar enganada, mas no budismo o suicídio não é tão mal visto quanto no catolicismo. Realmente não sei dizer a quais tradições seu namorado se refere, mas espero que a viagem faça ele ver a situação de uma outra maneira…

Mirtes M. Sacamoto · 6 de setembro de 2011 às 20:52

Bem, entrei no Google para pesquisar sobre hotokisam pois na casa de meus pais tem um e apos o falecimento de meu pai, minha mãe foi morar com minha irmã e a casa e o hotokisam encontram-se abandonados. O que fazer com ele? Podemos simplesmente transferi-lo de casa? Se alguém puder me orientar, agradeço.

Mylle Silva · 12 de setembro de 2011 às 15:06

O que eu entendo como hotokesan é um pequeno templo em memória aos mortos, então eu ACHO que não tem problema mudar de lugar, mas não tenho ceerteza também.

renata · 4 de março de 2012 às 11:24

ola
Meu faleceu recentemente e precisamos comprar um hotoke san , e so encontrei na Lierdade em SP, voces sabem outro lugar que vende, ou pode comprar usado ???

nao encontro nem no google???

Obrigada

Re ^_^

Mylle Silva · 4 de março de 2012 às 22:55

@renata

Infelizmente não sei informar onde venda um hotoke-san, mas peço para que você entre em contato com algum monge do Tempo Jodoshu Ninpakuji de Curitiba:

Telefone: (41) 3014-6268
Endereço: Av Visconde de Guarapuava 1431 – Alto Rua Xv

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *