Cultura Pop Japonesa

Conde Cain [mangá review]

O título do mangá em letras garrafais é “A Julieta Esquecida”. Logo nos lembramos de Shakespeare e nos perguntamos se não seria mais uma adaptação de sua mais famosa história. Ledo engano.

“A Julieta Esquecida” é o primeiro dos 24 volumes da história de Conde Cain. É composto por cinco capítulos organizados de maneira completamente atemporal, o que pode enganar os leitores mais desavisados.

Difícil dizer quem é Conde Cain. Ele não é muito ligado com a família, é especialista em venenos e carrega o estigma da morte consigo. Todas as mulheres que com ele se envolvem acabam morrendo. Qual será seu verdadeiro nome? Não sei.

O leitor precisa ficar atento para então ligar os pedaços da trama. No primeiro volume os coisas estão bastante esparças ainda, mas tudo leva a crer que os jovens Ren e Godfree são o Conde Cain, mesmo sendo apresentados com nomes diferentes.

A autora da história já é bastante conhecida no Brasil por causa do título Angel Sanctuary, ainda sendo publicado aqui. É famosa principalmente entre as meninas por seu estilo gótico, com atenção especial às roupas estilo Gothic Lolita. Além disso, seus desenhos são ricos em detalhes e as falas das personagens são geralmente longas, o que demanda atenção redobrada durante a leitura.

Sobre o(a) autor(a)

Mylle Silva

Sou escritora, roteirista e artesã. Apaixonada pela cultura japonesa, vivo com ela uma relação de amor e ódio desde 1996. Tento sobreviver entre palavras (www.oficinadeescrita.com.br) e encomendas (www.nhom.com.br)

Deixe um comentário

Clique aqui para comentar

Minhas identidades secretas

Oficina de Escrita - para escrever mais e melhor
 

Oficina de Escrita - para escrever mais e melhor
 

Botons Nhom - Presentes Memoráveis