Tatemae e Honne, as mentiras brandas da sociedade japonesa

Tatemae e Honne, as mentiras brandas da sociedade japonesa

Tatemae e Honne, as mentiras brandas da sociedade japonesa
Tatemae é o que a sociedade espera que você diga e Honne é aquilo que você realmente gostaria de dizer

[ad#ad-1]

Os japoneses são conhecidos pela sua honestidade e esforço. São capazes de treinar desde bem cedo, faça chuva ou faça sol, caso sejam  esportistas; estudam até a exaustão quando precisam lembrar de algo; trabalham por 12h ou até 14h e ainda encontram forças para participar de nomikais com os colegas de trabalho. Quando o assunto é dinheiro então, é muito mais admirável: dão até o último centavo de troco, devolvem o que encontram e não roubam. Tudo que parece parte de um sonho tem um lado muito mais profundo e marcante, definido pelos conceitos de tatemae e honne.

Tatemae, o que é esperado

Tatemae nada mais é do que “mascarar” seus verdadeiros sentimentos e pensamentos em prol da paz e da harmonia do grupo. É comummente visto entre colegas de escola ou trabalho, quando não são amigos ou a situação não é adequada. Por exemplo, eu estava fazendo um trabalho com uma menina japonesa, na universidade. Em uma das últimas vezes em que nos vimos, ela disse que morava perto e me convidou para ir na casa dela. Eu concordei, nos despedimos e eu nunca soube o endereço dela – o que é completamente normal. Ela me convidou por tatemae, ou educação, como preferir, mas não significava que era para eu ir lá realmente.

Honne, o que é sentido

Em contrapartida temos o honne, que define o que a pessoa realmente sente, o que ela gostaria de falar ou como ela gostaria de agir. Quem sabe, a menina sempre sorridente que me convidou para ir na casa dela, talvez me odiasse profundamente e nunca tenha dito. Não sei, não posso afirmar nem que sim e nem que não, já que ela nunca me disse nada – e dificilmente diria, porque o objetivo é não entrar em conflito com as pessoas.

Sem conflitos nem certezas

Todos que querem entender a cultura japonesa precisam saber um pouco sobre Tatemae e Honne, pois os dois conceitos estão presentes todo o tempo no cotidiano dos japoneses. Se a convivência é aparentemente pacífica e os grupos funcionam em harmonia – como por exemplo, no ambiente de trabalho -, o custo é muito alto. Muitos japoneses se sentem sufocados porque, ao mesmo tempo que ninguém briga, não é possível expressar os próprios sentimentos e nem ter certeza se o que os outros falam é verdade.

Por trás dos rostos sorridentes, sempre cheios de energia, hospitalidade e boas intenções, o que será que realmente existe? Claro que é ótimo ser atendido bem em lojas, como eu já escrevi aqui, mas também não podemos deixar de ter uma visão crítica sobre o assunto.

Todos temos dias ruins, falta de vontade, preguiça. Nem sempre é possível se dar bem com todos que nos cercam. Mas os japoneses passam por cima de tudo isso pela boa convivência e pelo que esperam de cada um. Não demonstrar que sente alguma dor ou está com algum problema é comum, aceitável e esperado.

[ad#ad-2-middle]

Se você já leu alguma história japonesa, seja um livro, manga ou viu algum filme, já pensou por que os personagens não falam o que eles sentem? Mesmo quando questionados, perguntados, pressionados, eles não falam nem demonstram! Problemas mil, amor à flor da pele, não importa, é sempre aquela enrolação. Não é só vergonha – os japoneses gostam de parecer fortes porque a sociedade exige isso.

Tatemae e Honne não são fenômenos exclusivos da sociedade japonesa, mas no mundo ocidental não temos dificuldade em expressar nossos verdadeiros pensamentos e emoções, além de não ser tão terrível assim criar inimigos e entrar em conflito – muito pelo contrário, quem não entra em conflito pode até ser visto como hipócrita.

E você, abriria mão de parte da sua liberdade de se expressar pelo bem do grupo? Seria capaz de não expressar o que pensa e guardar tudo para si?

Continue lendo sobre Cultura Japonesa

[ad#ad-1]

03 comments on “Tatemae e Honne, as mentiras brandas da sociedade japonesa

  • ' Niinha , Direct link to comment

    Meio sufocante mesmo.
    Acho que ate eles que estão “acostumados” acabam se explodindo uma hora.
    È dificil aceitar tudo, engolir sapos e ainda fingir sentir o que não sente. =\
    PObres Japas!

  • Marcela , Direct link to comment

    Já tinha percebido isso em váriooooos filmes e séries! Por um lado até eu entendo, é chato vc pagar porq o outro teve um dia ruim e descontar tudo em vc, mas por outro, às vezes as pessoas estão com problemas gravissímos, mas como vc disse, querem parecer “fortes” e acabam agindo como se nada estivesse acontecendo… Essa deve ser uma das causas de tantos cometerem suicídio no Japão. Podem pensar que é idiotice, mas se vc for parar pra pensar… Eu não sei o que eu seria se não desabafasse todos os dias o que eu sinto com os meus amigos ><

  • @brucasati , Direct link to comment

    Achei interessante essa observação. Mostra como eles mantém costumes milenares até hoje. Para todos que curtem cultura japonesa, recomendo (muito mesmo) o livro “Xógum – A gloriosa saga do Japão”, de James Clavel. A historia passa-se no Japão de 1600, onde o assunto deste post é muito mais evidente, pois eles ainda não tinham a influência dos costumes ocidentais. É fantástico ler este livro, pois passamos a compreender melhor as origens de certos costumes.

    Muito bom o post!

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *